Essa bagunça aqui dentro …

Você se foi e deixou uma bagunça aqui dentro. Simplesmente foi. Deixou um breve aviso, assim sem muitas palavras e partiu. Um dia eu acordei e você não estava mais láAbro os olhos e a dor começa a latejar o peito. Me perguntava cadê você, para onde tinha ido, o que acontecido, porque?Porque!? Eu não soube o que fazer. Era um misto de dor, decepção, medo, trauma. Não era uma dor comum. Aliás nunca é uma dor comum. Não era só você que tinha ido embora, era mais um amor. Mais uma vez em que me joguei com tudo que tinha em busca de suprir essa ferida que tenho aqui dentro e dei de cara na parede. E a cada tombo, o rombo, a cicatriz vai ficando maior … Sabe, vejo aqueles casais apaixonados andando de mãos dadas na beira da calçada … As vezes até pergunto o que tem de errado comigo. Porque que para mim nunca da certo? A cada ferida, a cada dor. Fico mais descrente nesse tal de amor. É difícil para mim, não sei como agir muito menos o que fazer. Quando tudo está bom eu já fico logo esperando a próxima porrada. Eu sei, isso é errado. Mas eu não consigo. Me entregar já é tarefa difícil. Expor, por todos os meus sentimentos ali na mesa depois de tantas idas, já não é tão fácil. Deixar meu coração na mão de outro, é assustador quando os casos anteriores foram mal – sucedidos Não consigo, é difícil demais para mim. Embora eu tenha, muito sentimento, demonstrar é um desafio. E quando ouço que não tenho nada por dentro, choro. Sei que não é verdade. Esse medo, ele não me deixa, me entregar por inteira, sonhar por inteira, amar por inteira. Tá sempre ali me latejando. É complicado? Sim, esse mundo do amor sempre foi complicado para mim. O problema é que eu não sou daquele tipo que se apaixonada na medida. Eu não, não tenho medidas e não sei a quantidade certa. Vou logo me apaixonando de cara e é muito. Sonho, planejo, vivo, revivo, me apaixono por completo. E quando o tombo vem, a dor é completa também. Cada pedacinho do meu corpo dói. Até que a próxima parada venha e eu finalmente acho que me encontrei. Que essa é a certa e aqui vou ficar. Então ela vai embora de novo e eu tenho que aprender a juntar os cacos. Deveria ser experiente nisso, já o fiz tantas vezes. Mas mesmo assim nunca consigo lidar. Pessoas fazem a gente viver momentos mágicos e achar que são para a vida toda, e depois vão emboraDeixam a gente aqui, só com as lembranças na mão. Os pedaços dela por toda parte, no cheiro da camisa, na foto em cima da escrivaninha que insiste em passar um filme toda vez que a gente vê. O que já foi tão bom um dia vira uma coisa difícil até de lembrar. Dói, a saudade dói, não é pouco não. Essa bagunça aqui no peito, é combustão, vulcão. Um amontoado de memórias, sorrisos,abraços, cheiros e cafuné, dores, traumas. Um tanto de pedaços jogados pelos cantos, que eu nunca aprendi a colar novamente

Desktop

Anúncios

6 comentários sobre “Essa bagunça aqui dentro …

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s